Home » Noticias » Cesta básica sobem e comprometem 60% do salário mínimo

Cesta básica sobem e comprometem 60% do salário mínimo

8 de dezembro de 2021

Os mantimentos da cesta básica sobem e comprometem 60% do salário mínimo

O valor médio da cesta básica cresceu em novembro em nove das 17 capitais analisadas pelo Dieese. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos, os trabalhadores terão que gastar 60% de sua receita líquida na compra de alimentos básicos com o novo aumento.

A cesta básica consiste em 13 alimentos considerados essenciais: Carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga. A quantidade dos produtos individuais varia de acordo com a tradição alimentar.

Avalia mensalmente o preço médio da cesta básica nas principais capitais brasileiras e divulga o resultado em comparação aos meses acima. Em novembro, a postagem foi alta em 9 das 17 capitais pesquisadas.

Então o aumento foi 18% acima da taxa de inflação oficial, cerca de 10%. Os maiores acréscimos no último mês foram registrados nas capitais do Norte-Nordeste, com destaque para Recife (8,13%), Salvador (3,76%) e João Pessoa (3,62%).

Também houve registros de demissões em Natal, Fortaleza, Belém, Aracaju, Florianópolis e Goiânia. Segundo o Dieese, a cesta básica recuou em Brasília (-1,88%), Campo Grande (-1,26%) e Rio de Janeiro (-1,22%).

O menor valor da cesta básica foi registrado em Aracaju em R $ 473,26 e o ​​maior em Florianópolis em R $ 710,53. Veja abaixo a classificação de preços entre as 17 capitais pesquisadas pelo Dieese:

  • Florianópolis R $ 710.53
  • São Paulo 692, R $ 27
  • Porto Alegre R $ 685,32
  • Vitória R $ 668,17
  • Rio de Janeiro R $ 665,60
  • Campo Grande R $ 645,17
  • Curitiba 638,96 R $
  • Brasília R $ 631,95
  • Goiânia R $ 599,64
  • Belo Horizonte R $ 594,97
  • Fortaleza R $ 580,36

Com base nesses valores, o carrinho de compras médio foi de R$ 591,89. Com isso, o Dieese estima que o salário mínimo necessário para as despesas básicas do trabalhador e de sua família em novembro seja de R$ 5.969,17.

Este valor é 5,42 vezes maior que o mínimo nacional atual de R $ 1.100. Então, para comprar a cesta básica em novembro, o cidadão teve que trabalhar 119 horas e 58 minutos. Além disso, 58,95% da receita líquida (sem previdência social) estava em risco.

No ano, de janeiro a novembro, houve aumento da cesta básica para 4 em todas as capitais analisadas. 44% (Aracaju) a 18,25% (Curitiba). No acumulado de 12 meses, os preços em todas as cidades passaram de 3,65% (Salvador) para 16,75% (Curitiba).

Relacionados

Deixe seu comentário

© 2022 - Renda e Dinheiro – Tudo Sobre Finanças