Home » Noticias » Haverá realmente a 8ª parcela da auxilio de emergência?

Haverá realmente a 8ª parcela da auxilio de emergência?

6 de dezembro de 2021

Haverá realmente a 8ª parcela da auxilio de emergência? Descubra tudo!

O governo pode pagar uma 8ª parcela da auxilio de Emergência aos beneficiários que são elegíveis para o pagamento. O murmúrio começou depois que o presidente da República Jair Bolsonaro pediu ao Congresso um empréstimo extraordinário de R $ 2,8 bilhões para ajuda.

Inicialmente, o programa era pago em depósitos até 31 de outubro. Após pagar a sétima parcela, o governo está sob pressão para pagar a oitava parcela do benefício.

Os membros do Palácio do Planalto até discutiram a possibilidade de prorrogação do socorro emergencial, mas isso só aconteceria se a PEC dos Precatório não fosse aprovada. E foi aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Oportunidades para a 8ª parcela da auxilio emergencial

Chegou ao Congresso um projeto de lei que permite a abertura de um empréstimo extraordinário no valor de R. pede $ 2,8 bilhões que pode desbloquear uma nova parcela de emergência ajuda.

Embora o texto ainda não esteja disponível, espera-se que esse valor seja pago além dos que já receberam ajuda governamental. No entanto, depende da aprovação do Congresso.

Ainda não é possível prever se o pagamento realmente ocorrerá e se será aprovado em 2021 devido à exigência de aprovação. Tudo depende da análise financeira do Congresso Nacional. Como o presidente Bolsonaro endossou este novo pagamento.

Onde é pago o benefício?

O benefício é pago por meio do Caixa Tem, que foi criado pela Caixa para facilitar o acesso dos brasileiros aos serviços sociais e bancários.

Os usuários podem usufruir do aplicativo com todas as vantagens dos serviços oferecidos. É possível acessar o benefício estadual por meio do aplicativo.

Auxílio de emergência

O auxílio foi criado durante a pandemia para ajudar brasileiros afetados que foram desligados do emprego, trabalhadores autônomos que tiveram que realizar suas atividades interromper a nova pandemia causada pelo coronavírus.

Inicialmente seriam pagas apenas cinco parcelas e o valor dependeria da composição familiar. Porém, devido ao ressurgimento da pandemia, o governo decidiu fazer o pagamento por mais dois meses até outubro de 2021.

Não recebi o auxílio de maneira adequada, como posso devolvê-lo?

Notificações foram enviadas aos trabalhadores explicando o imposto de renda e pedindo que devolvessem o auxílio de emergência, mas ainda não fizeram o pagamento.

Aqueles que receberam financiamento, mas não atendem aos critérios de elegibilidade do programa. Os empregados que estiverem empregados no momento do pedido de socorro de emergência também devem reembolsar os cofres públicos.

Quem deve retornar?

A devolução deve ser feita por aqueles que não atendem aos critérios de elegibilidade para atendimento de emergência. Isso inclui:

  • que recebeu benefícios federais, como pensões, seguro-desemprego ou o emprego de emergência e programa de proteção de renda;
  • que tinha carteira de trabalho assinada no dia do pedido de socorro;
  • Empregados que, ao declararem o IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física), possam ter gerado para o reembolso das parcelas do auxílio emergencial, mas ainda não tenham efetuado o pagamento;
  • Pessoas com rendimento incompatível com o seu recebimento.

Instruções como devolver o socorro de emergência?

Para retornar é necessário acessar o site, digite o CPF cadastrado na Ajuda e clique na opção Emitir GRU.

O sistema gera um Guia de Pagamentos Sindicais (GRU) que pode ser pago nos bancos.

 

Substituição do auxílio emergencial

O programa de ajuda Brasil foi criado com a intenção de substituir o programa Bolsa Família e, consequentemente, ajuda emergencial. No entanto, pelo menos 22 milhões de cidadãos necessitados não foram incluídos na ajuda ao Brasil.

Quem receberá a ajuda?

O pagamento será feito enquanto a família estiver cadastrada no vínculo a família está associada ao Cadastro Único e não tem o mesmo valor que recebeu no programa Bolsa Família.

Esse reajuste será aplicado mensalmente e será pago de acordo com o limite de um benefício familiar.

Este pagamento só será feito no mês de novembro, pois a partir de dezembro o valor será o mesmo do Auxílio Brasil, então todos terão a mesma média financeira a partir do segundo turno

Calendário de dezembro

NIS FINAL 1: 10 de dezembro de 2021

NIS FINAL 2: 13 de dezembro de 2021

NIS FINAL 3: 14 de dezembro de 2021

NISl FINAL 4: 15 de dezembro de 2021

NIS FINAL 5: 16 de dezembro de 2021

NIS FINAL 6: 17 de dezembro de 2021

NIS FINAL 7: 20 de dezembro de 2021

NIS FINAL 8: 21 de dezembro de 2021

NIS FINAL 9 : 22 de dezembro de 2021

NIS FINAL 0: 23 de dezembro de 2021

Os beneficiários do programa Bolsa Família anterior migrarão automaticamente para o Auxílio Brasil, mas ainda poderão utilizar o mesmo cartão e senha para sacar o benefício.

 

O pagamento ainda será feito através do aplicativo Caixa Tem A movimentação continuará através dos executados.

 

Relacionados

Deixe seu comentário

© 2022 - Renda e Dinheiro – Tudo Sobre Finanças